Nossa matéria-prima

Não poderíamos falar do gás GLP sem lembrar da importância histórica que esse produto passou a ter em nosso dia a dia quando, ainda na década de 1940, a população brasileira que residia nas zonas rurais e regiões interioranas das capitais cozinhavam basicamente com fogões a lenha. Nas regiões metropolitanas, o hábito era cozinhar com gás de carvão. O querosene também era utilizado, mas em menor escala. A vantagem e a versatilidade do uso do GLP ainda não eram notadas ou percebidas, pois o gás GLP era utilizado no Brasil como combustível para os motores de propulsão do dirigível Graff Zeppelin que teve suas viagens suspensas após o acidente ocorrido com o dirigível de Hindeburg nos Estados Unidos.

Os cilindros do Graff Zeppelin foram utilizados para dar início às primeiras instalações residenciais de gás GLP conhecidas. O GLP era todo importado dos Estados Unidos, logo, sua expansão de consumo não correspondia à necessidade ou disponibilidade no mercado nacional. Na década de 1950, mais precisamente em 1953 nascia a Petrobras e, logo em seguida, no passo da modernidade, nascia em 1955 a COPAGAZ

O que é GLP?

O GLP, popularmente conhecido como “gás de cozinha”, é uma mistura de hidrocarbonetos líquidos: o propano e o butano comercial. É obtido pelo refino do petróleo e pelo processamento do gás natural nas UPGNs (Unidades de Processamento de Gás Natural).

À temperatura ambiente, é submetido à pressão na faixa de 3 a 15 kgf/cm² e se apresenta na forma líquida. Daí o nome Gás Liquefeito de Petróleo.

Sua maior utilização é na cocção de alimentos. No Brasil, ele tem maior presença do que a energia elétrica, a água encanada e a rede de esgoto. É também utilizado em aplicações industriais, comerciais e agrícolas.

Em sua composição química, o propano consiste, principalmente, em hidrocarbonetos, contendo três átomos de carbono e expresso na fórmula química C3H8. O butano, por sua vez, também consiste em hidrocarbonetos, contendo quatro átomos de carbono, principalmente n-butano e isobutano. Ele é expresso pela fórmula C4H10. Como esses gases são inodoros, por medida de segurança é acrescentado na composição o mercaptano, um composto à base de enxofre, fazendo com que qualquer vazamento seja detectado pelo olfato.

 

Blog COPAGAZ

Forno a gás em pizzarias: mais agilidade e produtividade

16/07/2018 - Por Copagaz

Optar pelo forno a gás em pizzarias, em vez do tradicional forno a lenha, tem se tornado uma tendência entre…

Copagaz realiza doação de computadores a órgão ligado à Escola Politécnica da USP

30/05/2018 - Por Copagaz

A Copagaz, quinta maior distribuidora de GLP (popularmente conhecido como gás de cozinha) do país, realizou a doação de 86…

Conta individualizada de gás: a medida certa para condomínios

23/05/2018 - Por Copagaz

O sistema de gás do seu condomínio ainda é compartilhado? Ou seja, o gás é distribuído sem qualquer aferição individual…