Blog Copagaz
22 de abril de 2019
Categoria:
Comentários (1)

Como é a instalação e que tipo de cilindros e tanques estacionários de GLP usar no agronegócio?

O uso no GLP no agronegócio está em franca expansão. Além de ser uma fonte energética mais barata, o gás liquefeito de petróleo é energia limpa. É preciso lembrar que a sustentabilidade também é essencial para quem tira seu sustento do campo e da terra e precisa garantir a manutenção dos recursos para o futuro de seu negócio. No entanto, muitos ainda têm dúvidas sobre como é a instalação e que tipo de cilindros usar no agronegócio. Preparamos aqui um “miniplantão de dúvidas” sobre o assunto. Acompanhe.

Qual é a estrutura necessária?

Não há restrições de tamanho de cilindro ou tanques estacionários para a instalação do GLP como fonte de energia. No entanto, o produtor rural que pretende utilizá-lo deve ter alguns cuidados, tais como o acesso para cilindros e tanques. Também é importante que os cilindros e tanques sejam colocados em locais abertos ou bem ventilados. A instalação não deve ser realizada em subsolos e nem próxima a lugares que possam gerar acúmulos.

Outra vantagem do GLP em relação a outras fontes energéticas é a capilaridade, com distribuição em todo território nacional. Como o agronegócio dispõe, geralmente, de grandes espaços, é possível usar cilindros ou tanques estacionários de diversas capacidades para abastecimento à granel. Tanques estacionários de 500 a 20.000 podem ser utilizados, dependendo da característica e consumo de cada clientes.

A equipe comercial da Copagaz é formada por especialistas que avaliam a necessidade de cada cliente e nossas equipes técnicas encarregam-se de realizar as instalações seguindo as normas técnicas vigentes. Ao final, é realizado o teste de estanqueidade para certificar a ausência de vazamentos e proporcionar segurança ao cliente e a todos que frequentam o estabelecimento. O teste é muito simples e consiste na inserção de ar comprimido no sistema de gás.

Para finalizar, a liberação de gás é realizada e, sob supervisão técnica, todos os equipamentos são testados. Com tudo certo, para as centrais de tanques estacionários o engenheiro emite o Data Book dos tanques, a Anotação de Responsabilidade Técnica (ART) e os demais laudos técnicos necessários, acompanhado do projeto básico da central de GLP ou a Planta de Situação, que podem ser apresentados aos órgãos reguladores quando houver necessidade.

Quer mais vantagens? A Copagaz oferece assistência técnica 24 horas.

Em que processos o GLP pode ser usado?

O gás pode ser utilizado em diversas frentes no agronegócio. Pode ajudar a secar grãos mais rapidamente (a economia de tempo chega a 30% com relação à secagem em madeira), gerar energia em fábricas, no uso de equipamentos de combustão e, também, na criação de animais.

O GLP também é muito usado para queimar pragas em plantações, o que reduz amplamente o uso de pesticidas e agrotóxicos, que podem ser perigosos para consumo humano. Esse processo de queima, que praticamente não altera as condições do solo cultivado, é feito com um capinador térmico acoplado a um trator; a chama desse capinador é abastecida pelo gás.

Conseguiu tirar suas dúvidas sobre o uso do GLP no agronegócio? Entre em contato com nossa equipe de especialistas pelo 0800 707 2672 ou pelo nosso site.

Veja mais artigos relacionados ao uso do GLP no agronegócio:

Uso do GLP no agronegócio: Secagem de grãos